segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Um clichê fora do padrão

Depois de ter chegado a seu destino, nosso herói começou a conhecer pessoas, e, após uma semana, descobriu que tinha passado sete dias inteiros repetindo o ciclo "conhece nova pessoa, conversa com ela, se impressiona com algumas coisas, discorda de outras, tira uma lição, volta para o começo". Haviam sido necessários dois encontros memoráveis para que percebesse que a viagem não havia sido uma decisão tão inconsequente quanto ele desejava, de forma que vivê-la como um personagem infantil francês estava parecendo ser um desperdício de tempo.

Por isso, decidiu que faria algo que não poderia fazer de forma alguma em sua terra natal. Inscreveu-se para lutar contra ursos ferozes na arena da cidade.

Perguntar sobre o motivo de suas atitudes poderia vir de um amigo, para ajudar a clarear seus pensamentos, ou de um inimigo, que usaria sua evidente confusão para combatê-lo. Sabia, então, que deveria manter o foco em lutar contra ursos, e não no motivo de estar lutando.

Quando foi jogado na arena, viu a multidão que o observava e gritava seu nome - a não ser por alguns poucos que carregavam cartazes com mensagens como "Eu estou torcendo pelo urso".

Desembainhou sua espada e esperou que a fera finalmente entrasse na arena. Quando o próximo portão foi aberto, descobriu que haveria um outro combatente humano. Dois humanos contra dois ursos, pensou. Nada mais justo.

Quando o terceiro portão foi aberto, vieram a galope seis ursos. A espada dos dois combatentes humanos parecia muito pequena frente ao perigo iminente que surgia. Sabendo que não haveria mais como desistir, os ridículos bípedes investiram contra seus enormes inimigos.

Os dois primeiros ursos foram imediatamente atingidos entre os olhos, e caíram. Nosso herói rapidamente recuperou sua espada e degolou o urso seguinte, mas seu companheiro combatente não foi tão rápido e, numa patada, foi arremessado a três metros de distância (para o deleite daquela ala minoritária da platéia...). Desarmado e ferido, seria uma presa fácil, mas nosso herói virou as costas para o urso que naturalmente iria atacá-lo para chutar a pata de um dos ursos que o matariam. Nosso herói foi atingido por uma patada nas costas, mas não derrubou sua espada e, mesmo ferido, conseguiu matar os dois ursos com golpes certeiros no pescoço e no coração. O último urso, sentindo o perigo iminente, tentou atacá-lo, mas teve suas patas dianteiras decepadas pela mesma espada que havia executado seus companheiros.

- Obrigado - disse o combatente caído, enquanto a multidão (menos aquele seleto grupo...) ia ao delírio
- Não tem de que.
- Você luta muito bem.
- Hm. Vamos embora daqui.

Nosso herói lutava para não se deixar dominar pelo sentimento lisongeiro de ter salvado uma vida de uma forma sensacional na frente de uma multidão e ainda ter reconhecimento sincero por isso.

- Sabe, eu venho de uma vila a um dia de viagem daqui.
- Hm
- Nós temos problemas por lá... há um bando de criminosos que nos ataca e leva nossas colheitas e nosso dinheiro. Por isso eu venho aqui lutar: levo o dinheiro para nossa vila, para comprar comida para nossas crianças. Você pode nos ajudar a acabar com esse bando?
- Não, acho que é melhor você procurar outro protetor.
- Mas você é uma das poucas pessoas no mundo que tem habilidade suficiente para fazer isso!!!
- Tenho outras coisas para fazer.
- Você tem muito poder em suas mãos, mas não consegue perceber quanta diferença é capaz de fazer na vida das pessoas ao usá-lo para propósitos bons. Você é como um personagem de livro, daqueles que só precisam de um bom mestre e em breve estarão canalizando toda essa energia para o bem.

Nosso herói se afastou. Se irritou. Parou para pensar em todas as histórias que já foram escritas, e descobriu que seria bem difícil não viver pelo menos uma delas. Percebeu que sua vida seria inevitavelmente, um mosaico caótico de histórias já escritas.

Decidiu então aceitar a tarefa de proteger a vila. Pelo menos, não seria um moleque pedante dando lições de moral em pessoas que só querem viver suas vidas.

(imagem roubada do ThisNext)

2 comentários:

  1. mais uma vez sensacional mano!!!
    já comecei imaginar um filme!!
    HAHAHHAHAA!

    ResponderExcluir
  2. olá, adorei o blog!Gostaria de entrar em contato para lhe fazer uma proposta interessante para o blog. Por favor, aguardo seu retorno.

    Grata,
    Antonieta.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário